4 de janeiro de 2021

Diga sim, mãe!

Diga sim, mãe!
“Um ano perdido!”

Ouvir isso traz de imediato, argumentação contrária. “É óbvio que não!”
E o desabafo da mãe angustiada soa como contravenção à Lei Divina. Elencam-se motivos para o exercício de gratidão ao ano vivido, buscam-se fatos como provas vivas das bençãos recebidas em meio à pandemia, e, ao final, fecha-se com a constatação óbvia de que estar vivo já faz o ano não ter sido em vão.
E tudo isso é indiscutivelmente verdadeiro, mas não é o objeto que ocupa meu pensamento agora.

Vejo você, mãe.
Você que conhece a necessidade que seu filho tinha da terapia que não foi possível continuar, que vibrava com cada conquista relatada pela professora na escola, e se viu com ele em casa, tentando sobreviver ao exercício diário de equilibrar-se entre a lucidez e o caos. Você que viu avanços sendo perdidos pouco a pouco, num eterno recomeçar. E te vejo sem julgar, porque não ocupo o seu lugar. Ele é seu. Apenas você é capaz de sentir os efeitos do que viveu. Te vejo com amor, e te convido a um exercício.

Encontre um espelho. Sim, um espelho. E nele, encontre o único olhar que conhece o que se passa na sua alma. Olhe firme. Não desvie o olhar. Sinta as sensações que esse encontro traz para o corpo. Permita-se sentir. Se você vê uma menina, pegue-a no colo, dê o acalento que ela precisa. Diga a ela “eu vejo você”! Ela vive, frágil, dentro da guerreira que a vinda do seu filho criou. Devagar, olhe dentro dos seus olhos e diga SIM a essa mãe, a essa mulher que luta, que erra, que insiste, que desiste, que recomeça, que se reinventa. E está tudo certo. E seu sentir é legítimo. Acolha. Para amar, é necessário beber da fonte do autoamor. Afinal, oferecemos daquilo que estamos repletos. Abarrote-se de amor!

Quanto ao tempo, abrace o que está chegando a cada novo minuto. O que foi, já não está ao alcance. Então está tudo certo. Do jeito que foi.
Feliz momento novo. Feliz dia novo. Feliz de novo.

Compartilhar

Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário

Sobre o(a) autor(a)
Chris Mamede

Chris Mamede

Chris Mamede é mulher, filha mãe, avó e educadora, com orgulho de sê lo. Um exemplo de amor e de vida dedicada aos outros. Educadora há 40 anos, educanda há quase 56. Ensaista para o ABA+, é muita Inteligência Afetiva!
Produtos em destaque
Últimos artigos adicionados