28 de agosto de 2019

Autismo: diversidade e inclusão no mercado de trabalho

Software para Autismo software para autistas Aplicativo para Autismo Aplicativo para autistas o que é aba ABA para autismo ABa para autista Autismo Leve Autismo Severo Autismo Brasil ciência ABA aba autismo sintomas autismo lei para autistas jogos para autista programas para autista Transtorno do Espectro Autista TEA

O conceito de diversidade é muito falado e pouco entendido, tal como o seu propósito para a edificação de uma sociedade. Diversidade: aquilo que é diverso, diferente, variado, múltiplo, e hoje vamos incluir nesse significado o autismo.

Sim, as pessoas podem se identificar através das diferenças e isso deve incluir habilidades, saúde mental, formação educacional, traços físicos, personalidade, idade, raça, gênero, classe social, religião e demais preferências.

Encorajar a diversidade é a chave para educar estudantes para serem criativos.
Marc N. Richelle

A inclusão, por sua vez, é reconhecer o valor e o orgulho de todas as pessoas, o justo pertencimento, é a prática do respeito, da tolerância.
Muitas vezes o autismo aparece na sociedade amplamente estigmatizado, em ambientes escolares e sociais de um modo geral.
Integrar pessoas de diversos tipos, incluindo autistas deveria ser uma prática recorrente.

Se na sala de aula, no supermercado e até na pracinha do bairro as dificuldades se apresentam, imaginem no mercado de trabalho.

Empresas norte americanas já incorporam jovens autistas em sua equipe e de fato valem-se de suas muitas habilidades.
A Microsoft, por exemplo, se beneficia das qualidades desses profissionais.
A grande capacidade de concentração, a boa memória visual e de longo prazo, são apenas algumas das aptidões que interessam em especial empresas de tecnologia.

O objetivo, está longe do “politicamente correto”, muito mais voltado para o ganho de vantagens competitivas.

O TEA (Transtorno do Espectro Autista) apresenta aspectos individuais mas também comuns em vários casos.
Isso levou à classificação pelo DSM- 5 (Manual de diagnóstico e estatístico de Transtornos Mentais): “déficits na comunicação, na interação social, além de maneirismos (comportamentos repetitivos e áreas restritas de interesse.”, alguns com comprometimento cognitivo e alterações sensoriais.
Aqueles autistas cujo cognitivo é preservado apresentam vantagens para o mercado de trabalho.
Segundo matéria publicada na Revista Exame: A multinacional SAP, desenvolvedora de software, iniciou em 2013 o programa “Autism at Work” (Autismo no trabalho) e estipulou uma meta de ter 1% de sua força de trabalho formada por profissionais com TEA até 2020*.
No Brasil, ainda não temos estudos que mensurem a quantidade de autistas existentes no país.
A nossa esperança é que, com o censo IBGE de 2020, possamos quantificar e assim iniciarmos a criação de políticas públicas e privadas que incluam e diversifiquem, e também criem oportunidades para autistas, na sociedade, na pracinha, na escola e no mercado de trabalho.

* Segundo artigo no site da Exame: Empresas contratam mais autistas – e não é para cotas

Gostou? Envie para aquela pessoa que precisa ler isso.
Conheça também nosso sistema ABA+, software para integração e supervisão de terapias de pessoas Transtorno do Espectro Autista (TEA).

Compartilhar

Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário

Sobre o(a) autor(a)
ABA +

ABA +

Produtos em destaque
Últimos artigos adicionados